Acho que vi por aqui!

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Pós-parto em casa (parte 3)

Oie!!! Tudo bem com você?

Voltando a falar sobre o decorrer do pós-parto em casa; hoje vou conversar um pouquinho sobre o curativo do umbigo do bebê!

O que é o cordão umbilical?

O cordão umbilical é o que liga o bebê à mãe durante a gestação; é como um tubo que conduz a corrente sanguínea, nutrientes, anticorpos e oxigênio do corpo da mãe para o corpinho em formação do bebê.

Imagem retirada do Flickr
Copyright Todos os direitos da imagem reservados a Luis Henrique Novais
Curiosidade

Existe uma pesquisa feita por uma Universidade do Sul da Flórida - Estados Unidos, que diz que o cordão deve ser cortado somente depois que o cordão parar de pulsar, para garantir a transferência total de células-tronco, além disso, quando se espera esse período é reduzida a possibilidade de hemorragia, e ainda aumenta a quantidade de ferro armazenado no organismo do bebê diminuindo as chances de desenvolver anemia. Afinal, não custa nada esperar um minutinho né?!? Converse com seu médico sobre isso no pré-natal...

Cuidados com o coto do cordão umbilical:

No geral não tivemos problemas com o coto do cordão umbilical (aquele pedacinho do cordão que fica com o bebê), seguimos a risca as orientações do pediatra da maternidade; e foi bem simples, você só vai precisar de algodão, cotonetes, e álcool 70% só.
A cada troca de fralda (seja xixi ou cocô), você deverá higienizar o "umbigo", nos primeiros dias você, como eu (e acho que todos pais)  pode até ter dificuldades achando que vai doer, machucar o bebê e ficar com um pé atras na hora de manipular a região; mas vai por mim (e pelos pediatras e enfermeiros), é um "mal necessário", é muito melhor você sofrer com a angustia dos cuidados do que seu bebê ganhar uma infecção tão novinho. com muito cuidado, deixe um pedaço de algodão bem encharcadinho com o álcool, passe-o por todo umbigo (pode molhar o umbigo com o álcool - ele seca bem rapidinho), com o cotonete também embebido no álcool, percorra todas a curvinhas do umbigo removendo qualquer sujeirinha (da secreção dele mesmo) que possa ter se acumulado e depois seque todo umbigo com uma gaze ou com o próprio cotonete e algodão; é normal que o umbigo dê uma "meladinha" nas roupinha e/ou fraldas, com um pouquinho de secreção meio amareladinha ou até um pouquinho de sangue, o que não pode é essa secreção ter mau cheiro, ou que fique com aparência de inflamado com as bordas muito vermelhas, inchadas e /ou quentes, nesse caso procure um médico o mais rápido possível.

Os cuidados com coto do umbigo do meu bebê duraram 11 dias; na troca da fralda da madrugada do décimo para o décimo primeiro dia de vida, tomei um susto rs, já estava tão acostumada com aquele negocinho pendurado que na hora senti falta... 

Foto tirada logo que caiu o umbigo do meu bebê!

Depois que o umbigo cai, os cuidados continuam até que ele esteja cicatrizado (+/- 10 dias); em alguns casos, que foi o nosso, o umbigo demorou um pouco mais que o normal para cicatrizar, com 20 dias levamos ao pediatra para dar uma olhada, e foi realizada uma cauterização com Nitrato de Prata, que causa uma queimadura (química) na pele do umbigo onde é colocado; meu bebê não chorou e nem demonstrou nenhum tipo de sofrimento com a cauterização. O cordão umbilical do Bryan era bem grosso, e eu até esperava que demorasse para cair; e segundo uma das técnicas de enfermagem do hospital disse que poderia ser esse o motivo da demora para cicatrizar. E faz sentido, uma área maior pode demorar mais que uma área menor para se curar.

Não use nenhum curativo, faixa ou cinta que cubra o umbigo, e nenhum produto ou remédio para secar e cair mais rápido; alguns médicos podem até orientar seu pacientes a não usar nada, nem o álcool para limpar o umbigo. 
Ah! Você pode cobrir o umbigo com a fralda somente depois que ele estiver bem sequinho. 

Lembrando que essas orientações que citei nesse post, foram as que fiz em casa e que foram recomendadas pelo médico pediatra, mas é sempre bom seguir as orientações que seu pediatra de confiança lhe der.

Espero que tenha gostado desse post, no próximo vou falar um pouco sobre nossa experiência com o banho no Bryan recém-nascido, e outros cuidados com a pele do bebê!

Um beijo e até o próximo post!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

FELIZ NATAL!!!

Oie!

Como estão os preparativos para o Natal? Tudo pronto?

Chega essa época do ano, e não tem como não pensar em coisas boas... E estava eu a fazer a retrospectiva dos meus últimos anos, e não pude deixar de reparar em como a vinda de um bebê muda tudo à nossa volta. 

Sempre fui muito apegada a minha família pai, mãe e irmãos; são a base do meu Eu, sempre estiveram ao meu lado em tudo que eu fiz, desde de estudos, algumas loucuras, e até meus relacionamentos; meus pais nem sempre puderam e deram tudo que eu pedia quando criança e adolescente, mas sempre me ensinaram a correr atras e lutar pelo que eu queria conquistar, sempre carinhosos e duros quando preciso, me educaram pra ser uma pessoa justa, não só com os meus, mas com tudo e todos; falhas todos temos, mas também me ensinaram que sempre há chance para o acerto.

Daí me pego pensando no futuro... Como será meu filho quando crescer? Será que serei MÃE o suficiente para educar, cuidar e colocá-lo em direção ao caminho certo a seguir na vida?
Só saberei quando esse tal futuro chegar; mas até lá espero poder ser exemplo para ele como meu pai e minha mãe foram e ainda são para mim, e chego a mais certeira conclusão da minha vida, meu filho terá de mim todo amor possível que uma mãe possa oferecer; e com o pai maravilhoso que é meu esposo, exemplo para se tornar um homem de bem e amoroso é o que não vai faltar.

Hoje posso dizer que tenho a minha família, que somos abençoados, amados e felizes por ser quem somos e nos tornamos a cada dia!

Desejo a você e sua família que nesse Natal a fé, amor, paz possam desabrochar em nossos corações, nos trazendo a humildade, humanidade e todos sentimentos que nos tornem pessoas melhores.

Aproveite as oportunidades dos simples abraços comemorativos, e transforme em abraços apertados, transmissores de calor humano, de carinho e boas novas! 

Beijos e até o próximo post!

🎄Obrigada por fazer parte da família Bê-á-bá do meu bebê!
UM FELIZ E MARAVILINDO NATAL PARA VOCÊ, BOAS FESTAS!!!🎅



quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Pós-parto em casa (parte 2.1 rs)

Oie!!!

Hoje vai ser pá-pum rsrs, acho que me enrolei um pouco no post anterior e acabei só falando sobre cólicas (e olha que só dei uma pincelada no assunto); então nesse post vou falar sobre meu pós-parto ou quarentena...

Meu pós-parto foi muito tranquilo, mas confesso que quando marcamos a cesária de última hora, lá no fundo, eu fiquei meio apavorada; isso porque eu passei quase a gestação toda me preparando para o parto normal, e os benefícios que ele me traria, como por exemplo a recuperação (que dizem ser) mais rápida que a recuperação de um parto por cesária; me lembro do nascimento dos meus irmãos que foram por parto normal, e não dava pra esquecer a rapidez com que a minha mãe se recuperava; chegava em casa tranquila e em questão de dias já estava preparada para a lida da casa e dos filhos, e eu nada boba queria um parto e recuperação igualzinho da mamis, SQN...

Mesmo tendo me preparado para o parto normal, eu já havia procurado algumas informações sobre o parto cesariano, e meu olhos não brilharam muito não; ainda mais depois de ler e ouvir relatos de pós-parto que na maioria deles tinham uma recuperação bem dolorosa. A partir daí, posso dizer que não adianta por caraminholas na cabeça antes de experimentar qualquer situação; meu parto foi super rápido e sem problemas (tirando a reação que tive por conta da anestesia), meu pós-parto foi maravilhoso; assim que passou a anestesia e me liberaram para levantar do leito não tive problemas, levantava e andava sem apoio, e em casa foi o mesmo fazia quase tudo sozinha, exceto em uma coisa, eu evitava pegar pesos maiores que o peso do meu bebê (+/- 4kg) para evitar o rompimento de algum ponto.

Cuidados com os pontos do parto:

Hoje existe uma sutura com uma cola cirúrgica, que não foi meu caso, levei pontos e como li em algum lugar (que não me lembro onde foi), ganhei a testa do Frankenstein na cicatriz rsrs; com relação ao curativo, não é nada de mais, a região deve ser lavada durante o banho apenas com sabonete, e depois do banho é só secar bem para não aparecer nenhuma infecção. No geral os médicos orientam só esse trato para os pontos externos, já os pontos internos não é preciso se preocupar, o corpo vai absorver o fio usado na "costura"; em parto normal, os cuidados são os mesmo, é só lavar bem a região e secar direitinho; tem alguns casos em que a região pode dar uma inflamadinha por conta de movimentação ou até mesmo alimentação, fique atenta à coloração da região, ela não deve estar vermelha, quente ou com dor latejante, nesse caso procure seu médico para que ele possa te avaliar e prescrever algum medicamento. 
Durante os primeiros dias do pós-parto em casa, os médicos prescrevem anti-inflamatórios e analgésicos específicos para parturiente para aliviar possíveis dores, não tome outro tipo de medicamento que não foi prescrito, pois, provavelmente você estará amamentando e esse medicamento vai passar pelo leite para o bebê em uma concentração que pode fazer mal a ele.

No meu caso, não tive dor além do esperado; é claro que dói um pouquinho, afinal, o parto cesariano não deixa de ser uma cirurgia (e bem invasiva por sinal), mas nada insuportável ou que me impedisse de fazer alguma coisa. Passados 10 dias passei em consulta médica para avaliação pós-parto e retirada dos pontos; a retirada dos pontos não doeu, mas causa uma sensação estranha durante o puxão do fio que sai inteirinho.

Durante os quarenta dias os cuidados foram os mesmos: Lavar com sabonete e secar bem a região. 
Relações sexuais devem ser evitadas nesse período para que o processo de cicatrização ocorra sem problemas; isso não impede que o casal namore carinhosamente... Mas confesso que os hormônios em plena loucura para fazer com que o útero volte para a posição e tamanho normal, produção de leite em grande escala, sentimentos maternos a flor-da-pele, picos de humor que te levam do choro às gargalhadas em questão de minutos (sim eu parecia a louca da TPM, coitado do meu esposo kkk), bebê chorando e noites mal dormidas (que foi meu caso); não sobra muito tempo pra namorar; mas quando sobrar aproveite viu!

Mudanças no corpo no pós-parto

Aquela barriguinha de grávida não some imediatamente após o nascimento do bebê... Seja parto normal ou cesariano, seu útero vai permanecer em tamanho bem aumentado durante alguns dias, e com o passar dos dias ele vai voltando ao tamanho e posição de antes do parto.

Algumas mulheres recuperam seu peso de antes da gravidez em poucas semanas, outras podem vir a demorar um pouco mais do que elas esperavam... Sim, cada corpo tem uma característica, não é por que sua amiga perdeu aqueles quilinhos em alguns meses que você também vai perder.

No meu caso, eu perdi peso no começo da gravidez e engordei até o final dela poucos quilos, entre o que recuperei e o que ganhei não chegou a 7 quilos. Com a nova rotina com o bebê, em menos de um mês sequei, rs, e perdi mais quilos do que os que ganhei ao todo na gravidez; alguns diziam que era por estar amamentando (pudera, o Bryan parecia um piercing de mamilo); mas acredito que tenha sido por conta da falta das noites bem dormidas que me geraram um certo estresse e emagrecer foi a forma que meu corpo respondeu a situação; mas não foi um bom negócio, quando a rotina começou a se tornar mais fixa (exceto pelas noites) voltei a ganhar peso, nada que eu já não tivesse tido na balança... Mas é assim cada corpo responde as novidades de uma forma.

Outra coisa que muda são os cabelos; eles podem ficar mais ressecados, quebradiços e até cair como os meus. Por volta do 2º para o 3º  mês de vida do Bryan, notei que meu cabelo estava caindo mais que o normal (meu cabelo sempre caiu bastante), mesmo tomando as vitaminas que minha médica prescreveu, eu encontrava cabelos por todo canto, ralo do banheiro, travesseiro, sofá e na hora de varrer a casa eu tomava cada susto, dava pra fazer uma peruca com os fios que eu encontrava, porém, os médicos dizem que é normal. As bisas costumam dizer que os cabelos da mãe caem quando o bebê começa a "conhecê-las"; fui pesquisar e descobri que durante a gestação 20% dos fios entra "fase de repouso", para gastar a "energia" do corpo com outras prioridades como a formação do bebê, enquanto os 80 % dos fios continuam a crescer normalmente; no pós-parto, logo que o corpo da mãe se recupera, aqueles 20% dos fios que estavam estagnados, voltam a seu ciclo normal e caem, nos deixando maluquinhas achando que vamos ficar carecas, mas não se preocupe, esses fios que caíram vão dar lugar a novos fios (em poucos dias após a queda) que podem aparecer diferentes, sendo eles mais finos ou mais grossos; por isso alguma mulheres dizem que depois da gravidez até seu cabelos mudaram.

Sensibilidade no local da cicatriz é outra coisa que provavelmente vai mudar no seu corpo no pós-parto; existem relatos de que a região da cicatriz pode ficar dormente por muito tempo, algumas dizem que por anos; no meu caso durou uns 8 meses essa sensação de dormência, mas voltou ao normal; essa sensação se dá pelo fato de que durante a cesária alguns músculos e ligações nervosas da região são afetadas pelo corte, e como em qualquer procedimento cirúrgico, essas ligações podem demorar a se restabelecer.

Por hoje vou ficando por aqui...

No próximo post conto mais um pouco pra você!

Se você notou alguma mudança diferente no seu corpo deixe aqui nos comentários pra gente saber que mais pode acontecer!

Beijos e até mais.


terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Pós-parto em casa! (parte 2)

Oie!!! Tudo bem com você? Espero que sim!

Ontem foi dia de vacina de 1 ano do meu bebê, então ficou um pouco complicado escrever... Mas vamos lá!!!

Como disse anteriormente, hoje vamos conversar um pouquinho sobre o que é a cólica no recém-nascido.

Aqui em casa o Bryan, deu um trabalhão com as cólicas... Desde a saída do hospital elas resolveram aparecer e nos acompanharam até os  6 meses; nesse meio tempo passamos com alguns pediatras que nos davam o mesmo diagnóstico e medicação; sempre diziam que era cólica e que era normal em bebês, e o medicamento era o de sempre - Simeticona - e voltávamos nós pra casa com um bebê irritado, chorão, e que não largava o peito (para meu desespero ele não pegou chupeta).
Nossas madrugadas eram muito longas e cansativas, mas passou. Sempre passa.



Cólica em recém-nascidos

O que é cólica: A cólica é dor caracterizada pela dor que ocorre em órgãos ocos; como o útero, rins, intestino; que pode ter como causa, o movimento peristáltico (contração do órgão) ou até mesmo acúmulo de gases.

Pois bem, nos bebês a cólica pode se dar pelo acúmulo de gases propriamente dito, ou pelo fato de ser um órgão imaturo; ou seja, o aparelho digestivo dos bebês demoram a se acostumar com a nova alimentação, e com isso ocorrem as dores por conta da nova movimentação para digerir e também na formação do cocô que resulta na formação dos TERRÍVEIS gases, que causam inchaço e incômodo ao pequenino.

Como saber se seu bebê está com cólica?

Bebês acometidos pela cólica, costumam manifestar um choro inconsolável, estridente, diferente do chorinho de fome ou fralda suja que você já está acostumado a ouvir; esse choro vem acompanhado de perninhas encolhidas, corpinho que se curva para trás, e um semblante que mistura dor e força deixando o bebê com o rostinho vermelho. É duro ver seu bebezinho nessa situação, mas as crises de cólicas podem ser curtas, ou durar até mais de 3 horas, e costumam aparecer em torno do fim de tarde e madrugada.

Se seu bebê apresenta sesses sintomas, e mama fórmula, tente experimentar outra, pode ser que ele não esteja se adaptando a essa marca ou também a mamadeira. Se está mamando no peito, vale observar a alimentação da mamãe, e verificar a pega do bebê na mama, se ficar alguma brecha entre a boca do bebê e a mama pode estar entrando mais ar do que o normal, nesse caso você pode procurar apoio na maternidade onde nasceu seu filhote, ou em bancos de leite, eles costumam orientar sobre a melhor maneira de posicionar o bebê na hora de mamar.

Lembrete:
Quando o bebê chora, ele engole ar ⇨ ar no estômago = cólica
Durante a mamada o bebê também engole ar ⇨ ar no estômago = cólica; por isso, nesse caso, logo após a mamada, coloque o bebê para arrotar para evitar o desconforto.

DICA PARA ALIVIAR CÓLICAS EM BEBÊ:

Além da medicação que o pediatra orientar; existe uma massagem que é tiro e queda para acalmar os picos de cólicas:

  • Com as mãos aquecidas, coloque uma pequena quantidade de óleo entre elas e friccione até que fiquem o mais quentinho possível (recomendo que seja um específico para bebês para que não cause reações alérgicas), com um leve pressão, faça movimentos circulares e em sentido horário (é nesse sentido que o intestino funciona) ao redor do umbigo. Essa massagem ajuda a relaxar a tensão que a cólica causa no abdome do bebê.
Técnica da ginastica com as peninhas:
  • Com o bebê deitado de barriga para cima, dobre as perninhas dele (a) como se fizesse movimentos de agachamento, esticando e dobrando, você pode alternar esse movimento com outro movimento que se assemelha ao pedalar de bicicleta, onde você dobra uma perninha e encolhe a outra, revezando o movimento entre elas. Esses movimentos auxiliam na eliminação dos gases do bebê.
Depois que o Bryan alcançou os 3 meses de vida, resolvemos tentar outras coisas que pudessem ajudar... Demos o bendito chá de Erva-doce (sem açúcar tadinho), e confesso que com ele não ajudou não, e ainda levei um susto quando dei de louca e questionei o pediatra se poderíamos dar o chá para nosso bebê, e ele disse que não.

Uma das pediatras (do pronto atendimento) em uma das crises de cólicas que passamos citou um tal de Colikids, e corremos lá pra comprar (achei um pouco caro pra apenas 5 ml); ele é nada mais, nada menos, que o Lactobacilo Reuteri, e serve para popular e formar a flora intestinal do bebê. Com a flora intestinal funcionando direitinho, o intestino absorve melhor os nutrientes e vitaminas a que ele é exposto, ocorre um aumento da imunidade (porque esses lactobacilos eliminam as bactérias ruins que podem chegar ao intestino), além de que, com a flora regulada existe uma redução de formação de gases. Conheci algumas mães que recomendaram o uso do Colikids e que realmente funcionou com seus filhotes; mas aqui em casa usamos por cerca de 2 meses e não vimos uma melhora significativa; mas vale a pena pedir uma orientação sobre ele para seu pediatra de confiança, afinal, nenhum bebê é igual ao outro.

Mas antes de tentar qualquer medida procure um médico para avaliar seu bebê, pode não ser nada, mas pode ser algo a se preocupar como por exemplo uma intolerância a lactose... E acima de tudo, nos momentos de crise de cólicas, acalente seu bebê, dê o peito (se estiver amamentando, se não, uma chupeta vai ajudar bastante) pois nesse momento ele se sente protegido e se acalma, além de que, o ato de sugar que o bebê faz também o relaxar; tornando o momento da cólica menos insuportável para seu bebê.

Sim, aqui em casa usamos de todas essas técnicas que citei, e ainda assim o Bryan sofreu com as cólicas, mas percebemos que quando deixávamos de fazer alguma coisa que poderia ajudar, as cólicas vinham com força total; já no caso contrário, as cólicas vinham com menos força... 

Mesmo que sua alimentação seja 100% natural, que evite certos alimentos, e que você aplique todos cuidados possíveis no mundo; pode ser que ainda assim seu bebê tenha cólicas, portanto, NÃO SE CULPE. Existem diversos estudos realizados para diagnosticar a real causa das cólicas nos bebês, e até agora nenhuma conclusão específica foi encontrada, o que encontram são apenas indícios do que pode ser a causa.



Espero que esse post tenha ajudado pelo menos um pouquinho, e pra você que ainda não está com seu bebê ficam algumas dicas pra quando ele chegar!
É tanta coisa pra contar pra você, no próximo post ainda quero falar sobre curativos do umbigo e corte da cesária tá!

Ah! Deixe um oi aqui nos comentários 

Beijos e até mais!

sábado, 17 de dezembro de 2016

Continuação: Pós-parto em casa! (parte 1)

Oie! Tudo bem com você?

Hoje fiquei me perguntando o que escrever sobre meu pós-parto em casa; é tanta informação e novidade quando a gente chega em casa com aquele serzinho lindo, indefeso, e todo molinho (dá até medo de quebrar nas nossas mãos rs), então vou conversar um pouquinho sobre minhas dificuldades nessa nossa nova jornada: Vida de mãe!

Trocando fraldas:
Durante a gestação, o bebê ingere um pouco de tudo que tem dentro da bolsa que o protege (líquido amniótico, pedacinhos do vérnix caseoso que se soltam da pele em formação, pelinhos e cabelinhos que também se soltam), e com isso se forma o MECÔNIO, aquele cocozinho que pode variar entre o preto, marrom ou verde escuro, é bem pegajoso, e dá um trabalhão pra tirar da pele sensível do bebê! Com o passar dos dias, o cocô vai mudando de cor até chegar num tom amarelo (quase coe de gema de ovo), e esse é um bom sinal de que o bebê está se alimentando bem, pois a cor amarelada é resultado da digestão da gordura do leite da mamãe...

Aqui em casa, nosso bebê levou uns 5 dias de cocô pra chegar no tom amarelinho, passou pelo preto, marrom esverdeado e por fim amarelo.

Dica de troca de fralda:


Depois de muitos "acidentes" com as explosões que aconteciam frequentemente na fralda do Bryan, passamos a deixar um Kit troca, bem parecido com aquelas cestinhas com kit higiene do bebê.

Mas o mais importante de tudo é você ter sempre a mão tudo que pode ser preciso na hora do sufoco rs! 
Prepare o trocador, antes de abrir a fralda suja, dê uma esticadinha na fralda limpa - elas vem bem dobradinhas e as vezes com as bordinhas elásticas quase que grudadinhas nela mesma - nos primeiros dias, você vai precisar de algodão e água limpa e quentinha pra remover qualquer vestígio de xixi e cocô. Eu tinha certeza - antes do Bryan nascer - que à cada troca de cocô eu iria lavar o bumbum do bebê nem que fosse no chuveirinho; mas na prática foi bem diferente, no frio foi bem difícil me desfazer dessa ideia, porque eu teria que expor o pequenino ao frio várias vezes por dia (no começo cada mamada é seguida de uma troca de fralda de cocô); então resolvemos o problema com um potinho exclusivo para colocar água quente e molhar um algodão para higienizar o bumbum do bebê, que com os meses acabamos trocando por toalhinhas umedecidas (que ao meu ver são mais delicados que os lencinhos), e tem unas ótimas nos mercados e são super práticas, no calor nada melhor que um banho mesmo... Ah! Se seu bebê for menino como o meu, não se esqueça de cobrir o pipi dele, porque é só abrir a fralda que eles praticam a mira pra acertar o papai ou mamãe rsrs,
A pomadinha anti-assaduras fica a critério e necessidade da mamãe e bebê. Aqui em casa usamos desde que nasceu, e só tivemos problema com assadura umas duas, quando experimentamos umas fraldas que não deram certo. Mas vou contar direitinho em outro post sobre fraldas e qual eu uso!


Amamentação

No hospital, foi super fácil amamentar, e como disse anteriormente, parecia que meu bebê já nasceu sabendo o que fazer; mas em casa, por volta do segundo dia, foi torturante; meus mamilos racharam, e o leite empedrou... Realmente não sei o que aconteceu, a pega estava correta, o leite já havia decido e o Bryan mamava como um bezerrinho a cada 2h, como um reloginho
.
Fiz tudo o que havia lido e escutado durante a gravidez, e algo deu certo... Acredito que tenha sido a adaptação mesmo, mas pra ajudar na cicatrização dos mamilos que ficaram até com pedacinhos pendurados, foi uma pomadinha a base de Lanolina específica pra amamentação, mas mesmo assim, não deixei de amamentar, e com uns 4 dias de pomadinha cicatrizou direitinho, e meu corpo foi se adaptando a quantidade de leite correta que deveria produzir, e com bastante aguá quente corrente e massagens circulares, e extraindo o excesso de leite com bombinha após as mamadas, resolvi o problema de leite empedrado; confesso que não foi fácil, e até entendo o porque de algumas mães desistirem da amamentação nessa fase, é porque dói muito, mas nada insuportável e que não valha a pena tentar e seguir pela saúde do bebê.

DICA DE AMAMENTAÇÃO:

Antes do bebê nascer abuse de hidratantes nos seios evitando os mamilos; com a produção de leite os seios tendem a aumentar bastante de tamanho, o que pode levar ao aparecimento de estrias e com hidratação o risco delas aparecerem reduzem muito, porém, hidratação excessiva nos mamilos pode deixa-los sensíveis e dificultar depois que o bebê chegar...

Depois da chegada do bebê, você pode recorrer ao cremes e pomadinhas para previnir rachaduras nos mamilos; expor os seios ao sol da manhã e da tarde ajuda a criar resistência (repare como a suas partes do corpo que são menos expostas ao sol são mais sensíveis que as expostas com maior frequência...)

Com relação à pega, que é a forma como o bebê deve abocanhar a mama pra mamar; que em geral é orientada pela equipe de enfermagem na própria maternidade onde o bebê nasce, mas em resumo o bebê deve abocanhar a maior parte possível da auréola e não só o bico do peito.
Para aumentar a produção de leite, nada de cerveja preta heim, o negócio certo é beber muita água, e manter uma alimentação saudável; sem contar que durante a amamentação sentimos uma sede que não tem fim, e pode ser que você se se sinta um pouco enjoada de tanta água, então abuse de sucos naturais, e você aproveita pra repor algumas vitaminas que as frutas te proporcionam.

E já que o assunto rumou-se para alimentação, gostaria de deixar outra dica; tudo o que você come você acaba transmitindo para seu bebê; pra facilitar na hora de se questionar se o que você comeu pode dar gases ou não no seu bebê, lembre-se das coisas que você come sabendo que vai passar mal; aqui pelo menos nos 4 primeiros meses cortei repolho, couve-flor, brócolis, batata-doce, diminuí o feijão, o açúcar, cortei refrigerante, e carne de porco (que sempre me deixava pesada quando eu comia), e ainda assim o Bryan deu trabalho com cólica, mas preferi cortar e reduzir tudo isso, porque das vezes que tomei um refri ou comi o bendito brócolis, as cólicas dele ficavam muito piores, daí eu pensava 10 vezes no que eu ía comer. Ah! Comida muito condimentada também causa cólicas e deixa o leite com sabor e cheiro diferente, o que pode fazer seu bebê recusar ou estranhar algumas mamadas.

 Acho que por hoje já rendeu bastante nossa conversa, então vou ter que deixar os outros assuntos pra parte 2 desse post!

Não deixe de comentar aqui embaixo o que está achando do blog, o que gostaria de ler aqui, e sobre suas experiências, curiosidades ou dúvidas, e se for algo que eu desconheça, terei o prazer em procurar saber pra gente poder bater um papo sobre o assunto; e se puder clica  no botão seguir e vem fazer parte da nossa família!!!

Beijos e até o próximo post, vou falar mais um pouco sobre cólicas em recém-nascidos, curativos do umbigo e do corte da cesária, e outras coisinhas que talvez você goste!


quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Pós-parto hospital e casa...


Oie!!! Vamos conversar um pouquinho sobre o pós-parto e o que sucedeu após o nascimento do Bryan, meu bebê amado :)

Pois bem, logo que saí da sala de observação, eu e o meu bebê fomos levados para o quarto onde ficamos do dia 29 de novembro ao dia 01 de dezembro de 2015.

As primeiras horas pós-parto foram super tranquilas, exceto pela reação alérgica que a anestesia Raqui causa em "quase toda mulher" - é uma coceira terrível pelo corpo que aparece logo que o efeito anestésico começa a passar, sai a dormência e entra a coceira - eu ainda com as pernas meio estranhas, comecei a procurar por bichos na cama rsrs, e chamei a enfermeira pra saber sobre a coceira, e me medicou com o que a doutora havia deixado prescrito... Pense numa coceira que não passava, mas acho que acabei me acostumando com ela, era tanta emoção em estar com meu filho nos braços que até esqueci de me coçar (engraçado que quando levaram ele pra pesar e dar banho a coceira voltou rsrs).

Meu parto estava agendado para as 8h da manhã, porém, só fui pra sala de parto perto das 10h por conta de um parto de emergência que chegou bem na hora; e com isso eu já estava desde a meia noite do dia anterior sem comer, e desde as 6h sem tomar água - ainda bem, porque na hora do parto logo depois daquela foto bonitinha do bebê, papai e mamãe, passei mal e vomitei (o que é normal), imagine se eu não tivesse seguido a orientação de não comer ou beber nada naquele período... Éeeca.

Eu já MOOORTA de fome, recebi uma refeição leve pela hora da janta (perto das 17h); comi morrendo de fome e ao mesmo tempo morrendo de medo de passar mal (fui avisada de que poderia acontecer), e foi o que aconteceu; chamei o Juca, o Igor, Hugo e todos outros possíveis. Depois disso nem água eu conseguia tomar, então ganhei mais um frasco de soro glicofisiológico pra me acompanhar na jornada. 

Passado o efeito da anestesia, fui levada para o banho e depois disso parecia outra mulher, meu ânimo era outro, já conseguia me levantar sozinha e até caminhar um pouquinho pelo quarto.

E durante essas horas o Bryan mamou, dormiu, fez cocô, mamou de novo, e de novo e dormiu mais um pouco, pra durante a noite chorar bastante rsrsrs.
E é mais ou menos nesse ponto em que coloco em pratica o Bê-á_bá do meu bebê...
Passamos 2 noites e 3 dias no hospital, e recebemos alta ao meio dia do dia 1/12/2015.
Bebê, mamãe e papai ok... Partimos pra casa, uhuuul!


CHEGANDO EM CASA

Como eu comentei anteriormente, decidimos fazer tudo sozinhos, e foi bem como o planejado; a cumplicidade entre nós 3 (bebê, papai e eu) foi linda de se ver; meu esposo me ajudou em tudo, desde os cuidados com a casa até nas explosões que ocorriam incontavelmente nas fralda do Bryan rs. 
É claro que hoje, pensando bem, eu até aceitaria uma mãozinha com os afazeres da casa, porque confesso que foi bem cansativo.

Segue aqui algumas considerações que vou detalhar melhor no próximo post


  • A amamentação não foi tão fácil quanto eu imaginava.
  • Os pontos da cesariana (no meu caso) não deram trabalho; só doía quando eu esquecia que eles estavam lá - sabe aquela espreguiçada gostosa, uma tosse que pega você de surpresa, ou quando você fica atolada naquele cantinho aconchegante do sofá e não consegue levantar como de costume, pois é - e doía mesmo.
  • Existem bebês que não dormem durante a noite (essa já fez um ano de experimentos rs).
  • Não coma nada que possa dar gases, barriga inchada e pontos não combinam.
  • Para produzir muito leite, beba muuuuito líquido.
  • Algumas fraldas são ótimas para um bebê mas para outro pode não ser a melhor escolha.

Quer um conselho???
Aproveite o tempo que estiver no hospital pra descansar, porque depois que você e seu lindo bebezinho voltarem para o lar-doce-lar, as coisas mudam muito...

Continua no próximo post!
Deixe um comentário sobre suas experiências ou curiosidades sobre o pós-parto!

Beijos e até a próxima!

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Reta final do Terceiro Trimestre e Nascimento!

Oie! À essas alturas eu já me sentia e estava GIGANTE, andava feito uma pata rs.


O jeito era esperar a vontade do meu bebê vir ao mundo, tudo ocorria bem, eu já sentia meu corpo em seus preparativos para trazer ao mundo meu filho lindo; dores nas costas, minha pélvis parecia que queria partir ao meio, contrações de treinamento, uma azia e um calor insuportável (isso falando de uma pessoa que dorme de cobertas até no calor rs), pés inchados, os cabelos dava dó rs, minha obstetra explicou o motivo para não COLORIR (logo eu, que tenho fios brancos desde os 15 anos) e nem ALISAR os fios (que não viviam sem uma progressiva), e eu concordei... 


Então certa noite, senti muitas dores e muitas, muitas mesmo, contrações de treinamento, a barriga endurecia e meu bebê não parava de mexer, parecia que ele estava se contorcendo lá dentro. Tive um pequeno sangramento (quase imperceptível), mas como passaria em consulta do pré-natal as 8h da manhã, resolvi esperar.
Durante a consulta, ocorreu como o de sempre, exceto pelo exame de toque (que confesso eu que foi bem doloroso), minha médica verificou que meu bebê, que estava encaixadinho à muito tempo para o parto normal, não mais estava; aquelas dores que senti na madrugada, era meu bebê mudando drasticamente de posição, e acabou ficando quase atravessado; e daí adivinha: Quem vai fazer uma cesariana agendada??? R: EU!!!

Estávamos já com 38 semanas e 4 dias e era uma quinta-feira, e com auxílio da minha grande ansiedade, questionei se não poderíamos agendar para o domingo seguinte (afinal seria o aniversário do meu esposo), e já que estava tudo ok tanto comigo como com meu bebê, minha obstetra concordou, pensa na alegria, dali a 3 dias eu estaria com meu bebê nos braços!

Parentes e amigos avisados, correria pra preparar a casa para a chegada do bebê e visitas; corremos ao supermercado e compramos tudo o que poderíamos precisar nos próximos dias (comida congelada rs, frutas, e uma última conferida no que poderia faltar), pra não ter que perder nenhum minuto da presença do nosso bebê nos primeiros dias, e também, porque seria somente nós 3, meu esposo, o bebê e eu; não tinha ninguém pra ficar conosco (nos dias atuais, quase todo mundo trabalha fora - ou não - e também, como meu esposo estaria de férias, chegamos a conclusão que seria muito mais íntimo e menos estressante se fosse só nós mesmo).

O NASCIMENTO

E assim foi, na manhã de domingo 29/11/2015; com os nervos a flor da pele, partimos para a maternidade, chekin ok, o jeito foi aguardar os preparos iniciais para o parto, naquele dia os relógios todos estavam em greve, e a hora não passava...

Fui encaminhada a sala de cirurgia; e lá administraram a anestesia Raquidiana, a anestesia funcionou super rápido, foi o tempo da picada nas "costas" e a enfermeira me ajudar a me posicionar na cama e pronto, já não sentia mais nada da cintura pra baixo, a sensação era horrível, como se um líquido gelado circulasse pelas pernas, com um leve formigamento, fui sondada embora tivesse feito xixi a pouco tempo e não comido e nem bebido nada à horas...

O processo todo foi muito rápido, meu esposo entrou na sala e ficou ao meu lado logo que a equipe médica se organizou em sala, e às 10:59h daquela manhã meu lindo, tão sonhado e esperado veio ao mundo, nem tinha sido retirado totalmente da barriga e já estava chorando, e fazia um barulho estranho (imaginem alguém se esguelando dentro da água, era esse o barulho)  rsrs, pesava 3,735kg e media 49cm, devido ao nervoso tive uma pequena alteração na pressão e uma reação bem leve da anestesia, mas fui logo estabilizada pela equipe super eficiente que me atendeu prontamente, enquanto isso meu bebê chorão rsrs, estava recebendo os primeiros cuidados ao lado do papai que fotografava sem parar...


E nasce aqui, um pai, uma mãe e um bebê!


Enquanto fiquei na sala de observação devido a reação da anestesia, meu esposo foi aguardar no quarto junto das visitas que já estavam nos esperando; eu e meu filho estávamos lado a lado, e logo veio a enfermeira colocar meu filho pra mamar pela primeira vez; foi lindo, ele parecia já saber o que fazer (pelo menos naquele momento rs), ficamos ali juntinhos por um tempinho curtindo um ao outro, e lá foi ele tomar um banho de luz, mas ao meu lado mesmo. Me lembro de ficar admirando e conversando com ele, e logo notei que ele se acalmava ao ouvir minha voz, foi muito emocionante.

Em resumo; tudo ocorreu bem... Meu filho veio ao mundo com saúde, meu esposo aguentou firme e forte na sala de parto (rsrs), e eu estou maravilhada com a vida de mãe, que aos poucos (quando meu filho permite) venho compartilhar um pouco com você!

E você, já teve seu bebê?
Conta aqui nos comentários como foi seu parto, ou se não teve, conta pra gente o que você espera desse dia tão sonhado!

No próximo post vou contar como foi o meu pós-parto no hospital e em casa!
Me desculpem pela demora em escrever de novo... Mas vida de mãe agora (pra mim) é assim...

Beijos e até o próximo post!



quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Terceiro e último trimestre, ufa!

Oie! Vou contar um pouquinho sobre nossos três últimos meses antes de ver a carinha do meu bebê:

Terceiro Trimestre:

Nesse trimestre foi uma correria só, muitos planos que fiz ficaram pra trás...

Com apenas 3 meses pra colocar tudo em ordem, saímos em busca do enxoval, tema para o chá de bebê, tema do quartinho, malas da maternidade...

Quartinho do bebê:

Decidimos que seria tudo bem simples com tema Safári, o básico do básico, berço (daqueles que vira mini-cama), cômoda, umas prateleiras para os enfeitezinhos, cortina, e um painel em EVA com árvores, matinhos, e os bichos. Tudo fácil de organizar, afinal, estávamos com um pouco de pressa rs.
Quartinho "montado" hora de encher as gavetas!

Enxoval:

Como meu bebê é do mês de novembro, aqui onde moro é época de calor... Então montamos o enxoval para essa época, buscamos UM MONTE de blogs e sites para saber o que comprar, e tiramos uma média entre as diferentes informações (que foram muito úteis por sinal), e ficou assim;

  • Um joguinho para "Saída de Maternidade" (conjuntinho e mantinha combinando)
  • Body manga curta: 4 RN e 6 P
  • Body manga comprida: 4 RN e 4 P
  • Calça (mijão): com pé 6 RN e 6 P , sem pé 6 P
  • Macacão com pezinho: 4 RN e 8 P (5 de malha e 3 de plush)
  • Macaquinho (tipo jardineira): 4 P
  • Camiseta: 6 P
  • Casaquinho moletom: 2 P 
  • Meia: 6 pares
  • Manta de algodão: 2 (bem levezinhas)
  • Cobertor: 1 de microfibra (nunca se sabe né)
  • Fralda de pano: 1 pacote com 10 (não é caro) - recomendo com barrinha pronta
  • Paninho de boca: 8
  • Toalha de banho com capuz: 4 (arrependimento)
  • Fralda toalha: 2 pacotes com 3 cada (uso até hoje)
  • Jogo de cama com lençol, fronha, e colcha: 2
  • Lençol avulso com elástico: 4
  • Travesseiro: 1 (descobri que não são recomendados até 1 ano de idade)
  • Cueiro: 3
  • Bolsa do bebê
Considerações:

Se o bebê nascer grande (como o meu), os tamanhos RN vão se perder bem rápido (alguns nem chegamos a usar), as toalhas de banho compramos de tamanho 0 a 3 meses, mas usamos só no primeiro mês porque acabaram ficando pequenas; já as fralda toalhas são ótimas, o tamanho é muito bom e seca super rápido, o que ajuda muito pelo fato de acidentes frequentes com xixi acontecerem e ser necessário lavar com mais frequência do que se espera. Para evitar acidentes de sufocamento, prefira comprar lençol com elástico, e não use travesseiros dentro do berço, à não ser que seja uma recomendação médica. As fraldas de algodão são super úteis, tanto pra cobrir o bebê rapidamente para esconder do sol numa exposição rápida (saída do carro, ônibus), forrar algum lugar improvisado para colocar o bebê e etc.

Chá-de-bebê:

Como à essas alturas já havíamos ganhado muita coisa, escolhemos fazer um Chá-de-fraldas!
Ficamos até tontos com tantas opções de temas, e por fim, escolhemos fazer o mesmo tema do quartinho: Safári.
Quase tudo foi feito em casa, bolo doce, bolo salgado, docinhos de colher, compramos salgadinhos fritos e assados, mas o carro chefe foram o bolo doce e o bolo salgado; a decoração fizemos um super catadão nas lojas de artigos de festas e colocamos a criatividade pra funcionar, como seriam poucos convidados, usamos a casa da vovó...
Ficou tudo bem simples e ainda nos divertimos muito!

Malas da Maternidade:

O hospital que escolhi para meu parto ajudou bastante em relação ao que levar nas malas, segui quase a risca.

Minha mala:
  • 1. Pacote de absorvente próprio para o pós-parto (levei e recomendo um de uso noturno)
  • 1. Chinelos
  • 2. Jogos de camisolas que sejam de fácil manejo para amamentação
  • 5. Calcinhas
  • 3. Sutiã de amamentação
  • 1. Roupa para o dia de alta 
  • Necessaire com produtos de higiene pessoal: escova de dente, escova de cabelos,shampoo, sabonete, creme dental, creme para cabelos, toalhas; e uma maquiagem (que nem lembrei de usar rs)
Mala do bebê:
  • 1. Pacote de fralda descartável RN
  • 4. Conjunto bodys.
  • 4. Macacão de algodão
  • 1. Manta de algodão
  • 3. Cueiro de malha
  • 6. Fraldinhas de boca
  • 1. Escovinha macia para cabelos
  • 2. Pares de luva 
  • 4. Pares de meias
  • 2. Toucas
  • 1. Sabonete de glicerina (levei um da linha RN daquela famosa marca J&J)
Considerações:

Seja seu parto normal ou cesariano, o absorvente vai ser usado o tempo todo de sua estadia na maternidade (eu usei 2 pacotinhos de uso noturno); Chinelos, leve de borracha e fácil de calçar, tem mulheres que costumam levar daqueles tipo pantufas, que eu não recomendo, afinal, a higienização dele será um pouco complicada e não vai secar com facilidade, lembrando que por mais limpo que seja o hospital que você escolheu, não deixa de ser um ambiente cheio de microrganismos que se locomovem através dos calçados e mãos das visitas, e equipe hospitalar; e você não vai querer se expor e nem expor seu lindo bebê à possíveis contaminações né?

Na mala do bebê, não leve apenas roupinhas de tamanho RN, leve alguns tamanho P também, por experiência própria, o seu bebê pode chegar maior do que você e sua obstetra imaginaram...
Lave e passe todas as roupinha e acessórios do bebê, e antes de colocar na mala, verifique se não há nenhuma linha solta sobrando, além de incomodar a pele sensível do bebê, pode causar a perda de circulação de dedinhos, e até pezinhos por formar um torniquete ao redor do membro.

Ah! Não esqueça de colocar na mala, carregador de celular, bateria ou pilhas extra para câmera fotográfica, cartão de memória vazio pra capitar e armazenar tudo e mais um pouco. E se o papai for o acompanhante, é bom que ele tenha uma malinha também, com trocas de roupas, itens de higiene pessoal, e assim com a mala da mamãe e do bebê, a do papai também deve ser preparada com antecedência para evitar transtornos na hora de partir pra maternidade.
As malas em si, vão do gosto do freguês: com rodinhas, combinadas, com tema, ou emprestada; é você quem escolhe o que vai ser melhor.

Agora falta pouco, e esse trimestre passou voando. Acho que vou ficando por aqui...
No próximo post vou falar sobre o susto que levamos aos 40 minutos do segundo tempo rsrs!

Então, sigam-nos, curta, compartilhe e venha comentar sobre suas experiências!!!
Beijos e até!








quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Escolhendo o nome do bebê.

Como decidimos o nome do bebê?

Logo que descobrimos que "estávamos" grávidos começamos a grande busca pelo nome ideal.

Eu logo de cara, já tinha um nome escolhido de fosse menina - ALICE - sempre fui apaixonada pelo nome, mas naquele ano (2015), o bendito virou modinha e era Alice pra tudo quanto era canto que eu olhava, gente, Alice era o nome da minha boneca preferida rs, e eu sempre disse que se um dia fosse mãe de menina o nome seria ALICE rsrsrs. Pronto, nome de menina escolhido. E tenho dito rs.

Mas tinhamos também a possibilidade de ter um menino (ou um menino e uma menina - meu maior medo - GÊMEOS ou mais). Eu sempre achei lindo os nomes Felipe e Gabriel, mas o "Mor" não curtiu muito a ideia, sugeriu outras opções, mas não me agradaram muito; foi então que nos lembramos de um casal hippie que vimos em uma festa em nossa cidade (Festa do Mineiro) com um lindo filho, aparentava ter uns 3 ou 4 aninhos, cabelinhos loirinhos queimados do sol, todo cacheado e comprido rs, ficamos apaixonados em ver o garotinho correndo, brincando e mexendo com todos; o nome? Bryan, parecia um anjinho... Pensei eu, dizem que o nome diz muito sobre a criança, (não me julguem por favor rs) Rafael, Diego, Marcos e Lucas geralmente são crianças SUPER arteiras (pelo menos as que conheço são assim), então depois de gritar vários outros nomes pela casa (pra saber como seria "chamar" a criança no dia-a-dia), por exemplo: FULANO, larga a Meg! FULANO, desce já daí!!! Chegamos ao veredicto! BRYAN venceu.

Ps: Meg é nossa filha adotiva de 4 patas, que late, tem 4 anos e é terrivelmente bagunceira, carente e amorosa.

Nomes escolhidos! Se menina, Alice; se menino Bryan.

Alice significa: Verdadeira, autêntica, nobre, de linhagem nobre, defensora, protetora...

Bryan significa: Colina, montanha, virtuoso, nobre, homem forte...

Vai ser nome composto? Vai ficar igual nome de ator ou atriz de novela mexicana rs.
E começa tudo outra vez kkkk, mas essa saga conto em outra ocasião!

Assim, com os nomes escolhidos, ficamos ansiosos aguardando o resultado do ultrasson.

E você, como escolheu ou vai escolher nome do seu bebê? Conta aqui pra gente!

Beijos, e até a próxima!


Segundo trimestre!!!

Oie, depois de um tempão voltei!!!

Hoje venho contar um pouquinho do meu,

SEGUNDO TRIMESTRE:


Algumas mamães dizem que é a melhor fase da gestação, e eu tenho que concordar rsrs, mas aquele negócio que me disseram que depois dos 3 meses as náuseas e enjoos cessam, no meu caso não aconteceu... Sentir o bebê mexer, a barriga crescer, e um sentimento indescritível surge.


Nesse trimestre tive uma infecção de urina por mês, eu sempre tive infecção de urina, mas era no máximo uma crise por ano. Infecções de urina atingem grande parte das gestantes, e euzinha aqui não podia ficar de fora né, e os motivos a fundo não descobrimos, mas 50% dos motivos foi minha predisposição a infecção já conhecida, e os outros 50% foram motivados por imunidade baixa (que ocorre com todas gestantes por conta das mudanças em seu corpo durante os 9 meses - que não são 9 meses rs) e também pelo fato de produzirmos um hormônio chamado Relaxina, que serve para afrouxar os músculos do corpo da gestante para passagem do bebê; porém, essa tal relaxina não afrouxa somente o púbis, com ele a coluna "vai pro saco", os pés podem aumentar de tamanho, a postura se modifica, e os músculos da uretra também fica frouxo, o que diminui a passagem de urina para a bexiga, aumentando o tempo da presença das bactérias nesse perfeito meio de cultura; e o resultado já se pode imaginar: INFECÇÃO DE URINA!!!

Fora isso, me senti a gestante mais sensacional do mundo rsrs, ía trabalhar, depois do trabalho tinha pique pra sair, não passava mal com cheiros de perfumes ou comidas como costumam ter, não engordei nada, pelo contrário, perdi peso nos 3 primeiros meses por causa dos enjoos, que nesse trimestre ainda vinham me visitar, porém, com menos força digamos assim, meu arquirrival era o SONO TERRÍVEL que aparecia após as refeições.

Meu pré-natal e ultrasson indicavam que tudo estava ocorrendo perfeitamente, embora, eu apenas havia recuperado o peso perdido no comecinho, e não ter ganhado o peso esperado.

Agora sim, vamos comprar roupinhas de gesta!!! SQN rs, as roupas de gestantes ficavam muito estranhas na minha pessoa, afinal, só ganhei um belo par de seios (os meus não eram grandes antes da gravidez rs) e uma barriga linda que parecia crescer muito todo dia; então, continuei a usar minhas calças e só investi em blusinhas e batas.

Com o passar das semanas nossa angústia aumentava, qual seria o sexo do bebê? E o rostinho? Vamos fazer a 3D ou 4D?

A partir do 4° mês, se o bebê colaborar já é possível descobrir o sexo...
E então, meu marido e eu armados de curiosidade combinada com MUITA ansiedade, fomos para o exame dar uma olhadinha; mas não vimos a figurinha do bebê porque ele estava com as perninhas bem fechadinhas, e não queria se expor naquele dia, pra falar a verdade não estava muito colaborativo rs, o médico já estava até suando pra fazer o tal Doppler Colorido, e confesso que saí bem dolorida da sessão de apertamento, o médico explicou que a "veia" que ele procurava, em algumas mulheres - como eu - ficavam bem baixas e escondidas; por isso a dificuldade, que foi aumentada por conta da mobilidade do bebê.

Com 5 meses e meio marcamos outra ultrasson, e nessa finalmente conseguimos visualizar o sexo do nosso bebê!!!

Uhuuul! É um MENINO!!!

E COMEEEEEÇA a correria pra comprar roupinhas, enxoval, montar quartinho, preparar o chá de bebê; e o mês passou voando... Agora só faltam 3 meses!!!

A direita da imagem o órgão sexual do meu bebê! 
To be continued rsrs!

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Mamãe, papai, bebê e tudo que a gesta tem direito!

Oie! Vim falar um pouquinho da minha gravidez, mas como é muita coisa pra compartilhar, resolvi dividir em trimestres... Então, vamos lá! 

Depois da longa jornada em busca do primeiro positivo de farmácia, corri novamente para realizar um exame de sangue (BhCG) pra não restar dúvidas, e sinheeee! Outro positivo, com o exame em mãos, marquei uma consulta com minha ginecologista que também é obstetra (o que me ajudou muito), e seguiu-se assim...


PRIMEIRO TRIMESTRE:

Logo de início meu marido e eu resolvemos contar apenas para os mais íntimos; parecia que a ficha ainda não tinha caído completamente...

Passei por alguns exames pra saber se estava tudo certo com a gente (bebê e eu), mas o melhor e mais lindo de todos foi o exame transvaginal, que deu pra ver perfeitamente nosso bebê ainda se formando, já dava pra ver bracinhos, perninhas e seu coraçãozinho que batia perfeitamente (e muito rápido), e naquele exato momento aquela ficha caiu, sim, nosso bebê estava lá, e não parava um minuto rsrs.

(US do meu bebê com 11 semanas)

No primeiro trimestre aquele juntadinho incrível de células, se multiplica, desenvolve e toma forma de um lindo (mini) bebê, as mudanças são sensacionais.

E por falar em mudanças... Adivinha quem muda também? 
O papai e a mamãe rsrs, a mamãe que aqui vos escreve logo nos primeiros momentos como gesta, teve oportunidade de experimentar as maravilhas da gestação.

Antes de engravidar eu já tomava Acido Fólico, e depois comecei a tomar um complexo vitamínico, iodo e comecei a prestar mais atenção na nossa alimentação; adeus lanches, pizzas, chopp, e meu amigo inseparável refrigerante de cola; uhuuul, baixou a geração saúde aqui (+/- rs).

Assim como qualquer outra gestante, meu corpo passou por mudanças físicas e hormonais, mudanças essas das quais não gosto muito de lembrar, a criatura aqui já estava nauseando antes de confirmar a gravidez, depois da sexta semana (+/-) vomitava horrores, até aí tudo bem, porque me disseram que por volta do terceiro mês os enjoos passavam, então, enquanto as semanas passavam, a barriguinha bem discreta começou a aparecer, junto dela uma fome insaciável acontecia nas pausas das náuseas, uma vontade de fazer xixi que chegava nos momentos mais inapropriados, e um sono que não me abandonava, eu acordava com sono, trabalhava com sono, tudo que eu fazia tava lá o sono. O papai também mudou, ficou super ansioso, porém, mais cuidadoso, muito mais amoroso, a alegria em pessoa; e ali se formavam uma mamãe, um papai e um lindo bebê.



[No próximo a saga continua...]

Beijos e até a próxima onde vou contar como foi nosso segundo trimestre!!!
Ah! Não esquece de deixar um comentário tá!





terça-feira, 5 de julho de 2016

Nosso POSITIVO!

Oie, hoje venho contar um pouquinho da nossa história, e a jornada do Bê-á-bá do meu bebê começa mais ou menos assim:

Depois de um pouco mais 1 ano e meio de (muitas) tentativas, finalmente nosso tão sonhado positivo chegou, uhuuuul! Mas será mesmo???
  • Atraso na menstruação?
  • Enjoos?
  • Abdômen baixo inchado?
  • Teste de farmácia?
Tinha tudo pra de cara ser o esperado positivo, mas na hora do teste de farmácia deu negativo; e junto com o negativo tristeza, e uma certa dúvida, daí você me pergunta: mas deu negativo, não deu? e eu lhe respondo, SIM e NÃO rs, pois bem, apareceram 2 linhas; uma linha rosa bem forte e uma sombra bem fraquinha (quase inexistente) da segunda linha, onde corremos (meu marido e eu, com uma interrogação gigante pairando sobre nossas cabeças) para ler (novamente) a bula do teste, o que não nos ajudou... Corri para internet, e fiquei conhecendo uma tal linha de evaporação (que em resumo é um falso positivo/negativo), e para tirar as caraminholas das cabecinhas ansiosas, compramos outro teste que deu negativo. Tristes seguimos nossas vidinhas; mas aqueles enjoos, e menstruação ainda atrasada não me deixavam em paz, passou outra semana, e eu ainda com a pulga atras da orelha; não deu outra, comprei outro teste de farmácia e esperei o dia seguinte para fazer... No dia seguinte, sem ter dormido direito por conta da ansiedade, corri para ver no que dava, e tanãaaaam!!!! P.O.S.I.T.I.V.O.

Meu  tão esperado positivo!

Nunca havia me sentido tão feliz e confusa ao mesmo tempo, eu as portas fechadas e meu marido do lado de fora todo curioso pra saber o resultado (tadinho), quando abri a porta não conseguimos nos conter de tanta alegria, eram abraços, beijos, lagrimas, e muitos, muitos planos a partir daquele lindo e inesquecível momento em 12/04/2015 eu-mãe.

Se o seu positivo ainda não chegou, continue tentando, procure ajuda médica e tenha muita paciência e calma, porque a ansiedade atrapalha MUUUITO o casal viu, e acima de tudo se amem e nunca se culpem, tudo vai dar certo. 

E você, qual foi sua reação ao ver suas duas linhas? ou Está na busca do positivo? Deixe aqui nos comentários...

Beijos e até a próxima onde vou contar um pouquinho sobre como foi minha gravidez.